Entrevista e CSQ!!!!

Publicado: 16/10/2010 em Processo
Tags:,

Pessoas,

Sei que demoramos muito a dar notícias, mas essa felicidade que não passa nos deixa eufóricos!!!! Nossa entrevista foi no dia 11/10 e estava marcada para as 15:30… Nem preciso dizer que deu tudo certo, né???

Desde a hora que acordamos (eu, às 06:30 da manhã, porque pra variar estava nervosa demais), foi toda uma “preparação”. Conferi pela milionésima vez todos os documentos, organizei na mochila, conferi se todas as pastas estavam devidamente guardadas, etc. Alexandre acorda, às 09:00, querendo ir à praia pra dar um mergulho. Tudo bem… Ele tem essa relação com o mar (não sei como será quando estivermos no Québec, ninguém em sã consciência se arrisca naquelas águas congelantes)… Fomos à praia, ELE deu o mergulho (eu havia ficado o dia anterior inteirinho arrumando os meus cabelos, por acaso alguém acha que eu iria estragar horas de trabalho??? Não, né???). Tomamos uma aguinha de coco, ele ainda tomou um caldo de cana e voltamos pra casa. Eu, desesperada como sou, ainda dei uma estudada no dossiê, cochilei um pouco e, por volta das 11:00, comecei a me arrumar… Mas a sua entrevista não era às 15:30??? – você deve estar se perguntando… E eu te respondo: você me conhece??? Então sabe bem como eu sou agoniada pra essas coisas!!! Nos preparamos tanto que nada poderia dar errado, então comecei mesmo a me arrumar bem cedo.

Havíamos resolvido almoçar fora, porque ninguém merece mexer em panelas com os nervos à flor da pele, como os meus estavam. E quem iria lavar os pratos depois??? É… Achamos melhor ir comer na rua… Mas antes de ir almoçar, resolvemos dar uma passada no CLIC… Por volta das 12:30 lá estamos nós, abraçando Lise e Ivan e Thiza, que estavam fazendo a sua simulação… Foi mal por ter interrompido a horinha de vocês, mas eu não tinha condições de ir sem antes ouvir Lise dizer que tudo daria certo… Nem sei como desci as escadas, desde ali eu já estava nervosa demais… Fomos ao Barra, almoçamos e, por volta das 14:10, mais ou menos, saímos de lá.

Chegamos no Othon por volta das 14:15. Pega mochila, mapa, vê se não esqueceu nada no carro, olha o cabelo, arruma a gola da camisa de Alexandre, pega o paletó… Sim, eu fiz Alexandre vestir paletó e gravata. Demais??? Não sei, mas eu o obriguei a ir assim, ou eu iria surtar… Subimos até o 12º andar e fomos procurar o lugar da entrevista… Olhei prum lado e pro outro e não vi ninguém. “Rapaz, eu acho que a gente tá no lugar errado. Não tem ninguém aqui! Não tem entrevista marcada 14:30? Nem 15:00?????” – Isso eu falei pra Alexandre, e ainda fiz o coitado descer na recepção pra perguntar se era ali mesmo… Hahahahaha!!! Será que eu tava nervosa???? Aí me lembrei de Eric, que falou que tinha esperado na frente do elevador… E lembrei também de Lucas e Naty, tentando imaginar onde eles ficaram tirando as fotos… Alexandre subiu e falou que era ali mesmo. É, então vamos esperar… Mais uma vez lendo o dossiê, dessa vez ouvindo um pouco de música (eu conseguia ouvir os meus ossos se batendo, de tanto que eu tremia)… Alexandre derretendo debaixo de toda aquela roupa, reclamando do calor…

Por volta de uns 20 minutos depois sai da sala uma menina que tinha acabado de receber o CSQ. Ela tava feliz pra caramba, falou com a gente bem rapidinho e disse que o horário das entrevistas estava adiantado, que ela bateu na porta e avisou que já tinha chegado e a Isabelle tinha perguntado se ela já queria começar. Fiquei menos nervosa. Pelo menos quem fez a entrevista antes da gente recebeu o CSQ, isso nos deixa mais otimistas, né??? Uns 5 minutos depois, ela nos chama.

Parecia que eu estava entrando em um presídio cheio dos criminosos mais perigosos, eu não sei como consegui andar da frente do elevador até a sala, de tanto que tremia!!!! Hahahahaha!!! Primeiro pé dentro da sala e meus olhos encheram de lágrimas!!! Hahahahaha!!! Eu sabia que eu ia chorar!!! E quando eu falava tinha gente que dizia, que nada, você não vai chorar não!!!! Hahahahaha!!!! Pediu nossos passaportes antes da gente se arrumar, imagine que eu fiquei ainda mais agoniada!!! Hahahaha!!! Pedimos um momento pra poder arrumar as pastinhas na mesa, como Lise treinou com a gente, pegar o dossiê e as outras coisinhas que levamos. Entregamos os passaportes, então ela pediu a certidão de casamento e comentou que a gente tinha casado há pouco tempo (casamos em junho, pra poder mandar os papéis)… Se ela questionasse, tínhamos levado fotos mais antigas nossas, que dava pra a gente mostrar que estávamos juntos antes disso… Mas ela só fez esse comentário mesmo…

Em seguida pediu os nossos diplomas e a carteira de trabalho de Alexandre. Perguntou a ele dos empregos que ele teve e, em seguida, perguntou em inglês o que ele fazia no emprego atual. Apesar de se enrolar um pouco no começo, ele conseguiu responder direitinho e ela voltou pro francês. Aí perguntou há quanto tempo eu estou no trabalho atual. Respondi que há quase 1 ano e fui dizendo onde eu trabalhava, ao que correspondia no Québec e o que eu fazia.

Ela perguntou há quanto tempo nós estudávamos francês e essa foi a 1ª mancada de Alê. Ele começou a dizer que a gente tinha visto uma matéria no jornal e que a gente tinha começado a pesquisar e talz, e ela calada, esperando ele terminar de responder. Quando ele calou a boca, eu respondi à pergunta. Falei do CLIC, que era uma escola onde a gente aprendia o francês québécois, etc e talz… Aí ela perguntou também se tínhamos amigos ou família no Québec, e a gente falou que tinha amigos… Alê lembrou de falar de um casal de quebecas que conhecemos no mês passado e a gente nem lembrou de falar de quem já tá lá ou do grupo. E olhe que colocamos uma foto do grupo no dossiê… Hahahahaha!!!!

Depois perguntou aquilo que a gente sempre treina: Por que Ville de Québec. Deixamos clara a intenção de construir família lá, falamos aquilo que todo mundo fala sobre a violência, etc, etc, etc… E tivemos espaço para a 2ª mancada de Alê. Ela perguntou o que atraía a gente para o Québec (o famoso por que Québec) e Alê começou a falar dos eventos e mostrou uma lista de eventos que levamos… De novo, ela deixou ele terminar de falar e, antes que ela pudesse dizer qualquer coisa, eu respondi à pergunta. Aí ela perguntou qual seria o maior desafio pra a gente, uma vez chegando ao Québec. Eu respondi que achava que o maior de todos era o frio, porque aqui é muito quente e depois falei que a integração à cultura e à vida quebequenses também seriam bem difíceis, mas que a gente estava se preparando para isso.

Então ela perguntou sobre o mercado de trabalho, o que a gente achava que conseguiria fazer lá e mostramos o dossiê e um livrinho que levamos com a relação de hotéis e restaurantes na Capital Nacional, e Alê foi explicando o que a gente tinha planejado e pesquisado. Eu falei bem pouco sobre o meu plano de trabalho, porque ela na verdade nem perguntou, então eu meio que comentei só pra ela saber que a gente tinha verificado as possibilidades pros 2.

Depois ela começou a digitar um monte de coisa no computador. E eu nervosa que estava, o tempo não passava… Daí a gente lembrou que não tinha mostrado a ela o mapa que a gente fez. Como assim ela não viu o mapa?!?!?!? Pedi permissão para mostrá-lo e ela, que com muita boa vontade, permitiu. E foi quando a gente conseguiu identificar uma reação de verdade nela. Ela arregalou os olhos e aí a gente mostrou onde pretendia morar e explicou os símbolos que a gente usou pra marcar os lugares (segundo a nossa amiga geógrafa Anne, nosso mapa não era realmente um mapa, porque a gente não colocou legenda e nem escala… Foi mal amiga, mas gente leiga é f***!!!! Da próxima vez juro que vou prestar atenção nisso!!! Hahahahaha!!!!), de qualquer forma, explicamos o que a gente marcou e ela começou a apontar onde a gente poderia fazer francisação, onde era bom morar, etc, etc… Aí Alê perguntou a ela se ela era de Ville de Québec. Ela nasceu lá! Mas mora atualmente em Montréal… Como assim mora em Montréal?!?!?!? Aí eu perguntei a ela por que ela tinha se mudado e se Ville de Québec não era uma boa cidade para morar…

Depois disso, ela voltou a digitar e eu ficava pensando: “Meu Deus, ela tá digitando muita coisa, acho que ela está escrevendo os motivos de não termos recebido o CSQ” e minha mão começou a gelar… Quando terminou de digitar, a impressora começou a funcionar. Aí ela disse que a gente tinha sido aceito e a gente ficou olhando pra ela com cara de pastel. Aí ela vira pra mim e fala: j’ai accepté votre dossier. Aí eu olho pra ela e falo: Oui? e ela responde: Oui! Aí vocês já sabem, né??? Eu comecei a chorar de novo e agradecer… E ela rindo de nossa reação… Aí ela explicou o federal, o que a gente tinha que fazer, a FEL, que a gente tinha direito, etc, etc, etc… E ela perguntou se a gente tinha alguma dúvida e eu perguntei sobre o caso da troca de requerente. Ela explicou que era por conta da pontuação extra que a área de Adm. tem, que Turismo não tem pontuação extra, então era melhor pra a gente se fosse assim… Depois eu perguntei a ela se era a 1ª vez dela no Brasil, se tinha conseguido sair pra conhecer alguma coisa da cidade e ela disse que não, que havia chegado no sábado à tarde e que não tinha feito nada ainda…

O que achamos:

Ela é super tranquila e nos deixou “conduzir” a entrevista, no sentido de que nos deixava falar à vontade, mesmo que não fosse respondendo ao que tinha perguntado. Não ficou corrigindo os erros, não ficou pressionando e não falou nada nas 2 vezes que Alê não entendeu bem a pergunta. Também não teceu muitos elogios, na verdade ela não demonstrou se estava satisfeita ou não, apenas quando a gente mostrou o mapa. Quando a gente abriu o dossiê ela meio que deixou escapar também um espanto, mas muito contido. A entrevista não foi focada somente em Alê, os dois falaram igualmente. Às vezes ela perguntava olhando pra um e o outro respondia, e ela não interrompeu nem nada. Foi ótimo, porque um pôde ajudar o outro durante a entrevista. Ela foi super simpática. Sinceramente, vou repetir o que todo mundo fala, mas as simulações com Lise são muito mais complicadas, porque ela às vezes nos faz perguntas que a gente nunca teria imaginado que poderiam ser perguntadas… Isso é bom, porque você se prepara mais. Nós levamos, além do dossiê (que prometo tentar disponibilizar para download futuramente), um livrinho com a lista de todos os eventos e festivais, bibliotecas, parques e jardins da cidade. Além disso, levamos um outro livrinho com todos os restaurantes e hotéis da Capital Nacional, 01 mapa impresso em A1 e  uma pastinha com alguns documentos extras e materiais que achamos após fecharmos o dossiê, mas que pensamos ser interessantes para levar, como mapas com as linhas de ônibus na cidade (brigadão Lila e Ric!!), lista dos recordes batidos pela cidade (besteira, mas que achamos legal levar), um material que recebemos de lá que fala sobre o turismo na cidade e que traz informações muito interessantes (principalmente para a nossa área)… Sim, nós levamos muita coisa, mas acho que isso foi fundamental para a nossa “tranqüilidade”… Apesar de estar bem nervosa, nós dominamos muito os assuntos que levamos e demonstramos isso durante a entrevista. Acho que o principal é se sentir seguro, e com aquela situação da troca de requerentes, nós montamos uma verdadeira operação de guerra!!!

Vamos dar o crédito do belo dossiê a minha irmã, que é muito talentosa… Quem for aluno do CLIC pode pedir a Lise para dar uma olhada, pois deixamos uma cópia lá. Aí vocês entenderão do que estou falando! Keka, muito obrigada pela sua dedicação a nos ajudar, isso foi muito importante para nós!!! Você é o máximo!!! Ah!!! Quem precisar de uma “ajudinha” no design do dossiê, fique à vontade, ela irá adorar!!!

Bom, espero ter ajudado com o nosso relato… Quem tiver dúvidas, pois é óbvio que esqueci de mencionar algo – apesar do post enorme – sinta-se à vontade para deixar nos comentários ou enviar por e-mail.

Agora é a fase da preparação do federal (não, nós ainda não enviamos, mas essa semana este assunto estará encerrado). Quando enviarmos, avisamos por aqui…

Abração e até mais!!!

 

Anúncios
comentários
  1. Gente, não sei se vcs mudaram o layout do blog mas não conheci.
    Parabéns pela conquista e manda logo esse processo meninos não percam tempo.
    Abraços

  2. Gente, não sei se vcs mudaram o layout do blog mas não conheci.
    Parabéns pela conquista e manda logo esse processo meninos não percam tempo.
    Abraços

    http://diariocanadabrasil.blogspot.com

  3. Les Lapins disse:

    Relatos de conquistas de CSQ ainda me emocionam e acho que me emocionarao para sempre… A intensidade de todos os sentimentos envolvidos beira o insuportável, tao grandes quanto ao imenso alivio ao ouvir o famoso “vous êtes acceptés.” Cada um que passa por isso fica marcado e entende perfeitamente o que essa conquista significa.
    Parabéns e boa sorte nas próximas fases.

    Abraços
    Erika

  4. merciquebec disse:

    parabéns queridos!!comemorem muito, vcs merecem=D
    desejamos q as próximas etapas sejam rápidas!!
    ótimo fim de semana=0)

  5. Taís disse:

    Aêeee….parabéns parabéns!!! Dá um alívio bom demais né??
    Sigam em frente e boa sorte nas demais etapas!

  6. Najis disse:

    Ale e Vivi

    Que chiqueza que vocês estavam einh? Parabéns, parabéns, parabéns!!! Adoro vocês. bjs Najis

  7. Fábio disse:

    Uhuu!! Só alegria!

    Mais uma vez… vcs merecem essa conquista! Parabéns!

    Manda logo o Federal para chegarmos todos juntos.

    Beijos e abraços…

    Fábio

  8. NATY disse:

    Meus lindos amigos…

    Parabénss…Estamos radiantes de felicidade junto com todos vocês e a nossa vida vai ser de muita felicidade…Tenho certeza…
    Não vejo a hora de mudarmos logo e nos encontrarmos sempre e rir de tudo isso…Temos muitas histórias para contar para os nossos filhos…

    Saudades de vocês e parabéns mais uma vez!

    Naty e Lucas

    • Vivi e Ale disse:

      Gente, muito obrigada pelas palavras de apoio!!! Esse é realmente um momento de muita alegria, mas não podemos nos esquecer de que é apenas o começo e de que temos que nos preparar muito para essa mudança… Muito obrigada mesmo a todos os que acompanham a nossa caminhada e que torcem por nós!!! E para os que estão à espera dos exames médicos, força!!! Eles vão chegar!!!

      Beijão!!!

      Vivi

  9. LUCIANA disse:

    Olá Vivi e Ale, estou com entrevista marcada para 1a semana de novembro e estou meio desesperada, sera que vcs podem me ajudar?? Vcs sabem se quem vai fazer a entrevista em sp é essa Madame Marlene? Qto tempo durou a de vcs? Qual o nivel de frances de vcs (e qual vcs colocaram na demande)? Agradeço antecipadamente a atençao, sei que vcs entendem o desespero….

    • Vivi e Ale disse:

      Olá Luciana!!!

      Quem fez a nossa entrevista não foi a Madame Marlene não, foi a Isabelle Augustin… Entendo perfeitamente o seu desespero (pelo nosso relato acho que dá pra ter uma noção, né?)… Mas olha só: não é preciso se estressar tanto, isso muitas vezes atrapalha, pois não conseguimos demonstrar naqueles minutinhos o quanto nos preparamos… Pelo menos eu me senti assim: estamos nos preparando para esse processo há mais de 01 ano, imagine quanta informação a gente tem e quanta coisa a gente quer mostrar em 50 minutos??? A nossa entrevista, acredito pelos relatos de amigos que fizeram e pelos relatos que temos lido na internet, foi uma das mais demoradas e mesmo assim, não conseguimos (na minha opinião) mostrar pra ela o quanto nós nos preparamos e como esse projeto de mudança é importante para nós… Conseguimos convencê-la de que temos o perfil procurado e estamos preparados, mas sabe aquele sentimento que fica, de que poderíamos ter feito melhor??? É assim que me sinto… Mas ainda bem que deu tudo certo!!! Na nossa demanda, colocamos nível 4, que era o nosso nível quando mandamos os papéis – tínhamos 100 horas de francês, em junho, mas demos uma boa intensificada nos estudos, pois no dia da entrevista estávamos com quase 200 horas… Achei que isso foi bom no nosso caso, pois não precisamos nos preocupar em atingir um nível mais alto, pois havia a chance de não atingirmos esse nível e a cobrança seria muito maior… Hoje o nosso nível está entre o 6 e o 7… O nosso conselho (se é que conselho se dá) é: tente não ficar muito nervosa, estude francês o mais que puder e pesquise sobre o seu mercado de trabalho, habitação e custo de vida da cidade onde vai morar… Mostrar-se bem preparada é fundamental, inclusive porque te dá um pouco mais de segurança na hora da entrevista, então use artifícios que te dêem segurança. No nosso caso, preparamos bastante material para levar e um mapa com todas as oportunidades de emprego em Ville de Québec, além de outros serviços que também achamos importantes destacar, como hospitais, creches, bibliotecas públicas, etc… Mas isso vai de cada um… Espero ter ajudado. Precisando de algo mais, estamos por aqui. Esse processo tem algo que acho muito interessante, pois aproxima muito as pessoas e às vezes nos pegamos pedindo e recebendo ajuda de que a gente nunca viu na vida. E acho que essa é a parte mais interessante disso tudo, pois, como estamos no mesmo barco, acho que temos de nos ajudar…

      Beijão!!!

      Vivi

  10. Mari disse:

    Oiii!!! adorei o seu post!! fico me imaginando quando fomos tbm!!! Também somos de Salvador e estamos pensando em iniciar esta empreitada. Vocês sempre estudaram no CLIC ou apenas na etapa final para se prepararem para o CSQ? quantas horas semanais vocês estudavam na escola, e fora dela??

    Bjinhos e sucesso nas demais etapas!!

    • Vivi e Ale disse:

      Oi Mari!!!

      Desculpa a demora em responder, mas ficamos sem internet em casa desde o natal… Agora que está tudo normalizado, vamos às suas respostas:

      O CLIC não foi o primeiro lugar onde estudamos francês. Quando começamos nessa escola, já tínhamos aproximadamente 50 horas com uma professora particular, mas optamos por começar desde o Bloco 1, por conta das diferenças de pronúncia e metodologia (nossa antiga professora nos ensinava o francês da França). Para nós, esta foi a melhor decisão, pois pudemos pegar toda a base do francês canadense, apesar desse “atraso”.

      Quando aplicamos para o provincial (em junho), tínhamos 100 horas de francês no CLIC. Nós não declaramos as horas com a professora particular. Quando fizemos a entrevista (em outubro), tínhamos dobrado as horas. Fizemos 2 horas por semana de aulas particulares específicas para a preparação para a entrevista, também no CLIC. Queríamos fazer mais horas, mas o meu trabalho não permitia, então nos viramos com essa carga horária. Não estudamos em casa, pois recebemos a convocação para a entrevista no final de julho (01 dia depois do meu aniversário), então nos concentramos em montar o dossiê, que foi trabalhoso porque tínhamos material de um ano de pesquisa e nada separado e a nossa entrevista foi no primeiro dia da rodada aqui em Salvador, então tivemos pouco tempo (na minha opinião). Mas o que conta é o esforço de cada um. Além de termos lido muito em francês para a montagem do dossiê, fizemos muitas pesquisas importantes para a preparação para a entrevista (sobre o mercado de trabalho, por exemplo) e assistimos alguns programas quebequenses, para treinar os ouvidos.

      Espero ter podido ajudar, precisando, estamos por aqui!!! Boa sorte pra você no seu processo!!!

      Beijo!!

      Vivi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s